Os receptores de transplante reforçam a importância do estilo de vida saudável na jornada para o transplante

Certa manhã, há alguns anos, Fran Sanz, de Madri e com 28 anos, levantou-se, tomou banho e tomou o café da manhã. O dia começou normal, mas o que ele fez a seguir não foi nada normal.

Durante as 12 horas seguintes, Fran participou da competição Ironman, nadando 3,8 km, pedalando 180 km e correndo 42 km. Embora isso parecesse uma conquista extraordinária para qualquer um, isso tinha um significado muito especial para Fran. Há apenas sete anos, ele havia recebido um transplante de rim após seu diagnóstico de glomerulonefrite intersticial, um distúrbio renal, aos 17 anos. E aqui estava ele, o mais jovem receptor de transplante a terminar o Ironman.

“Como eu, uma mulher de 29 anos com transplante de rim, fico em forma? Eu rezo, dou risada, treino minha mente e treino meu corpo todos os dias, como qualquer outra pessoa, mas dentro de mim eu vivo mais firme, mais forte e mais feliz porque eu sei que eu recebi uma segunda chance, e eu decidi torná-la ALGO ESPECIAL!”
Suretha Maartens, 29, receptora de rim, embaixadora da iniciativa Fit for Life! na África do Sul.

“Receptores de rim,” ele diz, “são especialistas em cair e se levantar fortalecidos.”

Mais de 100.000 pessoas em todo o mundo recebem transplantes todos os anos, de acordo com a Organização Mundial da Saúde1. Cada uma dessas pessoas apresentou uma condição médica que levou a um transplante. E cada uma respondeu depois do seu próprio jeito. Algumas fazem isso participando de exercícios e competições esportivas. É por isso que a World Transplant Games Federation criou o Fit for Life!, um programa global que ajuda os receptores de transplantes a viver vidas plenas e ativas por meio de atividade física contínua e participação em esportes organizados, e que tem o apoio da Astellas.

Fran e outros que receberam transplantes dizem que é uma honra participar da competição, considerando o seu histórico, mas o mais importante é que sua participação é uma homenagem aos doadores dos órgãos que lhes deram a chance de fazer isso.

Como Fran, Ronald Grainger, 66 anos, um cirurgião aposentado de Dublin, foi diagnosticado com distúrbio renal aos 32 anos e aos 53 anos recebeu o transplante. Ele expressa sua gratidão trabalhando duro para se manter saudável e “proteger o presente que me foi dado”.

Manter a forma é importante para a sua própria saúde, observa Ronald, mas ele quer inspirar outras pessoas mantendo-se em forma. Ele competiu nos jogos da European Transplant and Dialysis em Vantaa, na Finlândia, incluindo a corrida de 100 e 200 metros, salto em distância, lançamento de bola e revezamento de 4 x 100 metros.

“Nós, os transplantados, refletimos o amor e o altruísmo de milhares de pessoas que trabalham nesse processo – doadores, familiares, médicos, enfermeiros e administradores, entre outros.”
Carolina Vargas Ropero, 33, receptor de rim e pâncreas, embaixadora Fit for Life! na Colômbia.

“Foi ótimo competir nos jogos”, diz Ronald, “mas o mais importante foi fazer parte de uma equipe que se sentia bem para competir e, com isso, aumentamos a conscientização sobre doação de órgãos e homenageamos os doadores”.

Ashleigh Mounger, 28, da Carolina do Sul, Estados Unidos, graduou-se em ciência do exercício e psicologia na faculdade e conseguiu colocar essas duas disciplinas em prática para si e para outros após o transplante de fígado em 2015, em resposta a uma condição metabólica rara chamada Doença de Wilson. “É muito importante treinar e se motivar a ir além do que você acha que são os seus limites, e incentivar os outros a fazer o mesmo”, diz ela.

Com essa ideia na cabeça, apenas três semanas após seu transplante, Ashleigh andou em uma corrida de 5 kg, o começo do que ela chama de “jornada de estilo de vida saudável”. “Nossos heróis disseram ‘sim’ à doação de órgãos e tecidos para que pudéssemos viver”, ela diz. “Então, vamos homenagear esses presentes e mostrar nossas cicatrizes com orgulho, continuando ativos e saudáveis.”

Fran, Ronald e Ashleigh têm mais em comum do que o fato de serem receptores de transplantes e serem atletas famosos. Eles estão entre os 13 embaixadores Fit for Life!, que incentivam a saúde e o bem-estar pós-transplante e enfatizam a atividade física dos receptores de transplantes. No final do ano passado, esses embaixadores se reuniram no campo de rúgbi do New Zealand All Blacks and Irish Rugby Football Union, patrocinado pela Astellas, no Campo de Soldados de Chicago para destacar seu compromisso e aumentar a conscientização. Foi neste jogo que a Astellas, com a colaboração do Donate Life America, triplicou o recorde anterior no GUINNESS de registos de doadores de órgãos online no período de oito horas. Este ano, o programa Fit for Life! participará dos World Transplant Games que serão realizados em Málaga, Espanha, de 25 de junho a 2 de julho de 2017.

“Praticando exercícios e competindo nos jogos, vi o que era possível assim que acreditei no meu potencial. O verdadeiro valor vai além de quebrar recordes e inclui ajudar os outros a perceber o que pode ser alcançado se eles também acreditarem.”
Montague Summers, 27, receptor de transplante de medula óssea, embaixador Fit for Life! na Austrália.

Como parte do seu compromisso de mais de 20 anos para mudar a jornada de transplante por meio da conscientização, a Astellas apoia múltiplas organizações no mundo inteiro, incluindo:

  • Chris Klug Foundation, que a cada ano fornece a dezenas de milhares de jovens nos Estados Unidos informações sobre a doação de órgãos.
  • Campanha Green Ribbon da Japan Organ Transplant Network, que aumenta a conscientização no Japão sobre questões relacionadas ao transplante de órgãos.
  • Transplant Games (jogos de transplantados) em países ao redor do mundo, onde os receptores de órgãos mostram suas realizações físicas após o transplante.
  • The University Hospital Foundation, do Alberta Economic Development and Trade, com quem a Astellas anunciou recentemente uma nova parceria para pesquisa e inovação com o objetivo de melhorar o atendimento disponível para pacientes transplantados.

“É importante não subestimar as implicações de estar confiante o suficiente para praticar atividades esportivas durante e após doenças graves”, diz Matthew Field, 29, da Nova Zelândia, também embaixador Fit for Life!. “Isso torna programas como o Fit for Life! e Transplant Games ainda mais especiais porque envolvem as pessoas, independente do seu nível de habilidade, experiência, preparação física ou status social.”
Apesar de suas extraordinárias conquistas físicas, o Ironman Fran Sanz afirma que “o verdadeiro sucesso não é cruzar a linha de chegada”. Em vez disso, segundo ele, é a luta cotidiana para superar os desafios pessoais. “Por meio dos esporte, eu quero ser uma inspiração para os pacientes que estão esperando por um transplante, quero mostrar a eles a vida extraordinária que eles têm pela frente.”

“Pratico ativamente por meio do esporte a atividade de espalhar a magnificência do transplante de órgãos para muitas pessoas e continuo me exercitando razoavelmente usando o rim que minha mãe gentilmente me doou.”
Hitoshi Totsuka, 47, receptor de rim, embaixador Fit for Life! no Japão.

 

1 World Health Organization (2016). Care After Kidney Transplant. Acesso em 10 de nov. de 2016 em: http://www.transplant-observatory.org